Que abordagem de Cloud alavancaria negócios de sua empresa?

Cloud Computing (1)A tecnologia digital derrubou as fronteiras para os negócios e facilitou a muitas empresas ampliar sua atuação pelo Brasil, alcançando diferentes estados, ou até mesmo ter uma presença global.

Assim, as companhias precisam que seus executivos tenham condições de consultar, com segurança e praticidade, dados estratégicos da companhia onde e como desejarem, seja via notebook acessado dentro de um táxi em uma viagem, seja no tablet ou em home office.

A computação em nuvem veio atender a essa demanda. Mas a reflexão fundamental nesse contexto, com a migração para a cloud avançando a passos largos, é: o que acontece se uma “tempestade” de panes derrubar seus sistemas? Quanto custa para a sua empresa o tempo que a informação fica indisponível?

Para começar, pense no estrago para uma loja virtual ficar 30 minutos fora do ar justamente no período de lançamento uma campanha publicitária. Ou então para a rede credenciada de uma operadora de cartões?

A questão se torna ainda mais complexa ao constatarmos que a maioria das empresas, apesar de a roda dos negócios girar no compasso da mobilidade e da nuvem, ainda manter estruturas de TI frágeis e ineficientes.

Em outros termos, a atenção à tecnologia não acompanha o ritmo do mercado, que está cada vez mais dinâmico, demandando soluções de TI ágeis e seguras. A resposta das empresas ainda se baseia em métodos tradicionais de reengenharia, o que não traz resultados satisfatórios.

Só para dar uma dimensão do que estamos falando, a perda de dados e a interrupção de operações custaram US$ 26 bilhões às empresas brasileiras em 2014, segundo pesquisa da Vanson Bourne realizada com 3,3 mil gestores de TI em 24 países. No mundo, US$ 1,7 trilhão. E, de acordo com estudos da Regus, 51% das companhias brasileiras não possuem um plano de recuperação de desastres.

A solução para as empresas não ficarem expostas a situações de risco que atrapalhem o acesso à informação é a nuvem contínua – ou nuvem real, como alguns preferem chamar. O grande objetivo desse processo é possibilitar o acesso rápido, ininterrupto e fácil ao data center em qualquer situação. Ele viabiliza a continuidade, escalabilidade e a estabilidade da TI de uma organização.

Dessa forma, as companhias podem redefinir metas e planejar melhor o crescimento dos negócios, pois sabem que estarão livres de quedas de sistema e outros problemas de acesso a dados.

Diz o velho ditado que tempo é dinheiro, não? Pois na era competição em tempo real e busca permanente por produtividade, ter uma “operação contínua” é o mesmo que guardar um pote de ouro dentro da empresa.

Fonte: Digital Network

Anúncios

Sobre Ramires, F A. Borja

Sólidos conhecimentos em: GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS - Planejamento Estratégico Empresarial; - Balanced Scorecard (BSC); - Indicadores de Performance (KPI); - Avaliação de Potencial de Mercado; - Marketing Geográfico (GIS); - Business Intelligence (BI); - Inteligência Competitiva. GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA - Planejamento Orçamentário; - Plano de Negócios; - Análise de Custo, Volume e Lucro; - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional; - Formação e Análise de Preços; - Retorno sobre Investimentos; - EVA, MVA, EBITDA e Fluxo de Caixa Descontado; - Risco de Crédito com Credit Score.
Esse post foi publicado em Tecnologia da Informação e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s