Microsoft encorpa Dynamics ERP com Azure, serviços e novas apps móveis

DynamicsAXO Dynamics AX 2012 R3 terá conexão com nuvem e novo framework de apps. Lançamentos acontecem durante o evento Convergence 2014, em Atlanta.

A Microsoft está anunciando novidades em torno da solução de gestão corporativa Dynamics AX ERP, visando torná-la uma opção mais robusta para todos os tamanhos de corporações globais.

Durante o evento Convergence 2014, realizado esta semana em Atlanta (GA), a empresa anunciou o Microsoft Dynamics AX 2012 R3, a mais nova versão do seu ERP (enterprise resource planning), que estará disponível mundialmente a partir de 1 de maio de 2014, tanto na versão local (on-premises) ou na nuvem, nesse caso usando a infraestrutura de serviços de cloud Azure.

O update do ERP vem acompanhado de um novo framework de aplicações e serviços focado em acelerar o desenvolvimento de apps móveis pelas empresas usuárias e sua distribuição em dispositivos móveis que podem ser conectados com o Microsoft Dynamics AX.

Pepijn Richter, diretor de marketing global do AX, explica que o framework de apps tem três camadas: as “self service apps”, aplicativos genéricos prontos e fechados que os usuários podem baixar do marketplace do Dynamics na Microsoft Store, instalar em seus dispositivos móveis e conectar com o AX da sua empresa; apps de business insights e apps de produtividade.

A empresa quer ampliar o número de desenvolvedores que se dedicam a produzir apps de negócios para o ambiente AX e colocou no ar, em versão beta, o Project Siena, que em uma explicação bem sintética “é uma app para produzir apps”, criada para popularizar um formato de aplicativo móvel em linha com o cenário que a empresa projeta para o futuro da TI.

“Nossa jornada para o Software as a Service (SaaS) entende que um elemento primário é que a interface das apps seja touch. Estamos vendo o mundo como devices, apps e serviços, e acreditamos que a nuvem é o viabilizador disso, para consumidores e empresas”, diz Richter.

O suporte para instalação do Microsoft Dynamics AX 2012 R3 usando o Windows Azure no modo de Infraestrutura como Serviço (IaaS) foi estabelecido, segundo a empresa, para atender rapidamente um número maior de clientes em mais verticais econômicas e em mercados emergentes.

A ligação com Azure também permite alta disponibilidade de dados e implementação de recursos de recuperação de desastres, uma vez que os dados críticos podem ser armazenados na nuvem e podem ser recuperados em qualquer lugar e a qualquer tempo.

A Microsoft também está oferecendo um set de ambientes pré-configurados no Windows Azure para demonstração, desenvolvimento, teste e uso em produção que visa acelerar o desenvolvimento e reduzir drasticamente o tempo de entrega do Microsoft Dynamics AX 2012 R3. Uma nova versão do Microsoft Dynamics Lifecycle Services, baseada no Azure, vai permitir monitorar continuamente o funcionamento dos sistemas para os consumidores e identificar problemas potenciais que precisem ser corrigidos.

O recurso é similar aos que já são oferecidos por SAP e Oracle, e fará parte dos pacotes de manutenção já existentes, tanto para ambientes hospedados no Azure ou localmente nas empresas. Segundo a Microsoft, usuários que adotaram o uso do Lifeclycle conseguem resolver problemas num período de tempo “significativamente” menor que antes e, em mais de 65% dos casos, o fizeram por conta própria, sem precisar de suporte externo.

A companhia está acelerando na direção do mercado e na ampliação da participação do AX em empresas de todos os portes. Ela divulgou os resultados de um estudo encomendado à Forrester Consulting, chamado Total Economic Impact (TEI), pelo qual mede o valor do Microsoft Dynamics AX para as empresas.

Com base em entrevistas e pesquisas com as empresas usuárias, a Forrester determinou que uma organização utilizando o Microsoft Dynamics AX 2012 teve um ROI de 92% em três anos, um período de recuperação do investimento de 21 meses e benefícios acima de US$ 6 milhões.

Segundo o analista Frank Scavo, presidente da empresa de pesquisas em TI Computer Economics, a Microsoft está fazendo “movimentos sérios” contra concorrentes como SAP e Oracle no mercado ERP. “Eles não estão abocanhando uma fatia significativa ainda, mas são vistos como uma opção viável para grandes companhias”, disse Scavo em entrevista ao IDG News Service.

Por Silvia Bassi

Anúncios

Sobre Ramires, F A. Borja

Sólidos conhecimentos em: GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS - Planejamento Estratégico Empresarial; - Balanced Scorecard (BSC); - Indicadores de Performance (KPI); - Avaliação de Potencial de Mercado; - Marketing Geográfico (GIS); - Business Intelligence (BI); - Inteligência Competitiva. GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA - Planejamento Orçamentário; - Plano de Negócios; - Análise de Custo, Volume e Lucro; - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional; - Formação e Análise de Preços; - Retorno sobre Investimentos; - EVA, MVA, EBITDA e Fluxo de Caixa Descontado; - Risco de Crédito com Credit Score.
Esse post foi publicado em Tecnologia da Informação e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s