Comunicação unificada está na estratégia de 78% dos líderes de TI

Office Comunicator (7)Pesquisa realizada pela Ovum, encomendada pela Dimension Data, recomenda que as empresas considerem a opinião dos usuários na hora de implementar os projetos.

Os tomadores de decisão de TI de grandes organizações deverão aplicar 53 milhões de dólares em serviços de suporte em comunicações unificadas e colaboração (UCC) nos próximos dois anos, com o aumento na demanda por essas tecnologias nos negócios.

No entanto, as empresas precisam estar atentas aos funcionários antes de qualquer investimento, para que não corram riscos. Segundo dados da pesquisa da Dimension Data, encomendada pela Ovum, com líderes de TIC (tecnologia da informação e comunicação), e funcionários do setor em 18 países das Américas, Ásia, Europa e África do Sul e Oceania.

De acordo com o estudo, mais de 78% dos líderes de TI têm um plano estratégico e atualizado e implementar UCC. A pesquisa aponta que os “componentes selecionados” estão dentro do orçamento; 43% afirmam que têm um orçamento para a “maioria dos componentes”, e 42% afirmaram que pretendem realizar investimentos em “todos ou na maioria dos aspectos” das Comunicações Unificadas.

“Essa é uma mudança surpreendente, especialmente quando as condições econômicas e as limitações operacionais colocam um freio nos investimentos em comunicações empresariais”, analisa Craig Levieux, gerente geral do grupo Dimension Data para comunicações convergentes, e explica que tipicamente, a UCC não tem sido um objeto de planejamento estratégico de TIC. “Até pouco tempo essa tecnologia era confundida com o PBX da corporação e a ideia de formular e executar uma estratégia de UCC – mesmo em grandes organizações – era incomum”.

O gestor explica que entre os tomadores de decisão em TI, que fizeram grandes investimentos nessas tecnologias nos últimos dois anos, 61% citaram redução de custos, aumento na produtividade  e absorção fácil por parte dos colaboradores, como benefício. “Isso envia uma forte mensagem às organizações que não reconhecem as comunicações unificadas como uma arma estratégica de produtividade e economias de custo”, diz.

Falta de conscientização é um risco

Por enquanto, as aspirações de UCC das organizações não correspondem às de seus funcionários. “A pesquisa revelou que as empresas não definem o perfil e deixam de avaliar as necessidades dos colaboradores”, explica Levieux e adiciona que a falta de conscientização pode colocar em risco os investimentos em UCC nas políticas administrativas, especialmente porque os tomadores de decisão baseiam seus investimentos em UCC na melhora dos processos empresariais e da produtividade.

Segundo a pesquisa, 38% das grandes empresas relataram que definiram o perfil de seus usuários, destes, 20% não pensaram em fazer isso, e 21% acreditam que todos os empregados têm as mesmas necessidades de comunicação, enquanto 13% não enxergam valor em definir esses perfis.

“Quando analisamos a abordagem estratégica que as empresas tomam em relação à UCC, à tendência BYOD, o foco em mobilizar UC e colaboração social e, ainda, os objetivos operacionais para aumentar a agilidade dos negócios, ficamos surpresos em saber que apenas 38% das grandes empresas relataram que definiram o perfil de seus usuários”, comenta o gestor; e adiciona que para as organizações que pensam no UCC como ferramenta estratégica é fundamental ter a opinião dos principais beneficiados: os funcionários. “Em um mundo onde mais funcionários trazem seus próprios dispositivos para o trabalho, a falta de entendimento entre os tomadores de decisão e empregados pode resultar em um custo bem real”.

Levieux ressalta que adoção por parte do funcionário é uma medida crítica para investimentos de UCC, pois a tendência é a disponibilidade de mais aplicações, com o objetivo de fornecer suporte para diversos dispositivos móveis. “Caso contrário, a adoção vai continuar a retardar aspirações, como tem acontecido com muitas aplicações padrões de UCC hoje”.

Agência IPNews

Anúncios

Sobre Ramires, F A. Borja

Sólidos conhecimentos em: GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS - Planejamento Estratégico Empresarial; - Balanced Scorecard (BSC); - Indicadores de Performance (KPI); - Avaliação de Potencial de Mercado; - Marketing Geográfico (GIS); - Business Intelligence (BI); - Inteligência Competitiva. GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA - Planejamento Orçamentário; - Plano de Negócios; - Análise de Custo, Volume e Lucro; - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional; - Formação e Análise de Preços; - Retorno sobre Investimentos; - EVA, MVA, EBITDA e Fluxo de Caixa Descontado; - Risco de Crédito com Credit Score.
Esse post foi publicado em Inteligência de Negócios, Tecnologia da Informação e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s