Quando você é sua própria marca

Já está bastante claro para os usuários do Facebook que perfis se destinam a pessoas e páginas servem a empresas. Mas ainda hoje vejo dúvidas entre profissionais que têm uma marca forte a zelar em torno de seu nome. São pessoas, mas sua postura é quase de empresa. E agora, crio uma página ou um perfil no Facebook?

Embora seja claramente uma pessoa – um palestrante, autor de livros, consultor, ou todas essas coisas juntas – é também (e muito mais) um nome, uma marca. É o personal branding em sua expressão mais pura. A interação, portanto, não é exatamente entre amigos, e sim entre alguém que já tem (ou quer alcançar) certo posicionamento no mercado, tornando-se mais conhecido e/ou interagindo melhor com as pessoas que, afinal, resultam no seu ganha-pão (seus leitores, potenciais clientes etc).

O que basicamente determina a escolha é a maneira como se quer interagir nessa rede social. Perfis e páginas, embora semelhantes, oferecem possibilidades diferentes. E aí é que começa a confusão.

A principal dúvida das “pessoas que são marcas” é em relação à “velocidade” em obter fãs.

Motivadas por isso, as pessoas hesitam em criar uma página porque ela é mais “estática”, ou seja, você tem que esperar que os usuários venham a você e cliquem em “curtir”. Acham mais produtivo criar um perfil e agir proativamente, disparando solicitações de amizade.

Não caia em tentação. Se você é sua própria marca, opte por uma página.

Pessoas não querem ser “amigas” de marcas, mas querem revelar do que gostam. Cada “curtir” funciona como um bottom, integra o perfil de gostos e comportamentos dos usuários. E muitas vezes páginas oferecem a seus fãs conteúdos exclusivos – e todo mundo adora um mimo gratuito.

Uma das principais vantagens de ter uma página para o seu personal branding (em vez de um perfil) é que ela aparece melhor posicionada não só no sistema de busca do próprio Facebook mas também no Google.

A página permite – e aí está talvez o diferencial mais importante e útil – criar abas com outros conteúdos: vídeos, fotos, promoções, temas específicos que digam respeito à sua área de atuação.

Por fim, a nova aparência de timeline para páginas voltadas a business, que permite resgatar lá do fundo do baú os conteúdos e organizá-los de forma cronológica, além de ampliar a facilidade de exposição, é mais um trunfo que você pode ter para ficar mais evidente no Facebook. Mas isso já é história para o próximo post…

Por Mariela Castro

Anúncios

Sobre Ramires, F A. Borja

Sólidos conhecimentos em: GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS - Planejamento Estratégico Empresarial; - Balanced Scorecard (BSC); - Indicadores de Performance (KPI); - Avaliação de Potencial de Mercado; - Marketing Geográfico (GIS); - Business Intelligence (BI); - Inteligência Competitiva. GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA - Planejamento Orçamentário; - Plano de Negócios; - Análise de Custo, Volume e Lucro; - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional; - Formação e Análise de Preços; - Retorno sobre Investimentos; - EVA, MVA, EBITDA e Fluxo de Caixa Descontado; - Risco de Crédito com Credit Score.
Esse post foi publicado em Comportamento Humano e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Quando você é sua própria marca

  1. E o tal do Sr. Zuckerberg diz que “os brasileiros estão usando mal o Facebook” … O que diria o Sr. Winchester ao descobrir que algum maluco teria enfiado uma de suas invenções na boca e espalhado os próprios miolos pelo teto ?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s